Resenha: Nunca nos pertencemos

“Porque você foi a única que realmente me conheceu… Me fez fazer tudo aquilo que eu guardava pra poder fazer para alguém que eu ame.”

Henri Becchieri

Romance | 160 páginas | Cortesia Karen Beatriz |  Autor: Karen Beatriz | Publicado em 2015|Classificação 2/5 

Continuar lendo “Resenha: Nunca nos pertencemos”

Anúncios

Parceria com a escritora Karen Beatriz 

Nunca nos Pertencemos 

image

Sinopse:  Após diversas tentativas para aceitar a morte do pai, Henri Becchieri, um jovem artista prestes a entrar em depressão, sente a necessidade de mudar sua vida, ou seja, sair de Mônaco. Tudo naquele lugar lembrava seu pai, Louis Becchieri, um homem honesto e bondoso que trabalhava num cassino em Monte Carlo. O jovem, porém não sabia o real motivo que causara a morte de seu pai, sem saber o que fazer e aonde ir, o destino resolveu dar uma direção a ele. Atraído por um olhar, um sorriso, um sentimento desconhecido, ele passou a tomar conta de si. Dentro de um trem com destino a Florença, um casal despertou-lhe a curiosidade e Henri, atraído pela moça do vagão, percebe que ir atrás dela é um sinal do destino. Nesta mesma cidade, no meio daquele belo cenário, conhece Bernard um jovem italiano e amante de fotografias que acabara de montar seu pequeno estúdio com Anne sua melhor amiga. Um mistério que pode mudar totalmente o rumo de cada um. Anne, Bernard, Sophie e Henri começam um vínculo de amizade e amores, essa relação tem tudo para dar certo, se apaixonassem pelas pessoas certas. Trocaria seu melhor amigo egoísta por um romance de viagem? Tentaria escrever seu próprio destino, ou deixaria as coisas acontecerem? Será que nos pertencemos? Ou o destino se fez e todos fizeram suas escolhas?

 

No Meu Paladar Tudo é Poesia  

Sinopse: Uma antologia de poesias, com diversos temas, amor, saudade, dor. Poesia para todo tipo de gostos.
Por que só a poesia complica e descomplica! A poesia nos faz sentir com mais intensidade; Amor, dor e saudade e todo o resto também. Se for doer, que seja como a poesia, doce e lentamente! Se for amar, que seja como a poesia, intensa e loucamente! Se for saudade…Ah! Se for saudade, pode ser como a poesia também! Nada melhor que saudade, nada melhor que poesia. Por que no meu paladar, amigo, tudo é poesia!

Em breve tem resenha \o/

Facebook