Resenha: Quincas Borba

quincas-borba-machado-de-assis.jpg

Publicado em 1891

Autor: Machado de Assis

Sinopse: Quincas Borba trata da vida de Rubião, amigo e enfermeiro particular do filósofo Quincas Borba — personagem descrito em obra anterior de Machado, Memórias póstumas de Brás Cubas —, de quem herda toda a fortuna. Ao trocar a vida provinciana pelo bulício da corte, Rubião leva consigo o cão, também chamado de Quincas Borba, que pertencera ao filósofo e do qual deveria cuidar a fim de preservar o direito à herança. No trem que o conduz ao Rio de Janeiro, Rubião conhece o casal Sofia e Cristiano Palha, que logo percebem que o companheiro de viagem é um novo-rico ingênuo e ludibriável. Seduzido pela amabilidade do casal e, sobretudo, pela beleza de Sofia, Rubião passa a frequentar a casa deles, confiando cegamente nos novos amigos.

Olá leitores,

Quem leu Memórias Póstumas de Brás Cubas conhece o personagem Quincas Borba. Em Memórias Póstumas ele se encontra em situação deplorável. No entanto, após algum tempo reaparece na narrativa, porém agora rico, devido a uma herança que ganhara de uma tia.

O mais engraçado que no livro que leva o seu nome, Quincas Borba, ele é um mero coadjuvante!

Bem, em Quincas Borba, o protagonista é Rubião. O “único” amigo de do velho Quincas. Após a morte de Quincas (logo nos primeiros capítulos), Rubião é surpreendido com o testamento deixado pelo amigo.

“Quando o testamento foi aberto, Rubião quase caiu para trás. Adivinhas por quê. Não cinco, nem dez, nem vinte contos, mas tudo, o capital inteiro […]”

Rubião vivia em Barbacena, um cidadezinha no interior de Minas Gerais. Após ganhar a herança, muda-se para a corte.

Já na viagem ao Rio de Janeiro, Rubião começa a mudar de classe social. No trem conhece Cristiano Palha e sua esposa Sofia. O casal pertence a mais alta sociedade do Rio de Janeiro. Sofia é belíssima e Rubião fica encantado com ela.

O casal é apenas o primeiro a se aproveitar da riqueza e ingenuidade do nosso protagonista.

O enredo gira entorno do amor de Rubião por Sofia e esta ora correspondendo ora não, a fim de tirar proveito da riqueza de Rubião.

A narrativa é em terceira pessoa e a leitura é bem simples. Não há digressões, o que facilita, e muito, o entendimento da obra.

Nessa obra, Machado de Assis revela os detalhes de maneira mais sutil e sofisticada.

O primeira pergunta que fazemos é: Por que o nome do livro é Quincas Borba se o protagonista é Rubião?

No entanto, Machado faz com que a história de Rubião só se concretize devido a existência do próprio Quincas Borba!! A trajetória de Rubião está inteiramente atrelada à sombra de Quincas.

Além disso,  Quincas Borba deixa seu cachorro também chamado Quincas Borba para Rubião cuidar. Várias vezes Rubião assume ver nos olhos do cachorro o olhar de seu falecido amigo. Outra coisa é que o cão confunde várias vezes Rubião com o antigo dono.

É óbvio que Machado critica severamente a sociedade! A crítica porém, vem de maneira sofisticada e não tão fácil de entender.

“A ambição de Palha, o narcisismo de Sofia e de Carlos Maria, o deboche do filho do colchoeiro, o caráter interesseiro de Camacho – tudo isto é a sanidade, o perfeito estado mental, o normal. Rubião, que dá dinheiro à mãe de Freitas quando o amigo está doente, que salva Deolindo da morte, que não cobra as dívidas de Palha – Rubião é o louco.”

Ana Maria  de Castro

São sutilizas que fazem Quincas Borba ser uma obra tão, ou até mais, complexa quanto Memórias Póstumas de Brás Cubas.

Essa obra é mais do que recomendada. É leitura obrigatória haha

Beijoos

Anúncios

Olá, o que você achou?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s