Resenha: Wild Cards – O Começo de Tudo

0 Flares 0 Flares ×

“Não posso morrer ainda, não vi Sonhos dourados.”

Sinopse: Ao fim da Segunda Guerra Mundial, a Terra é salva por pouco de um meteoro alienígena. Porém, o vírus que a bomba espacial carrega cai em Nova York e, gradativamente, espalha-se pelo mundo, contaminando parte da população e dotando parte dos sobreviventes com poderes especiais. Alguns foram chamados de ases, pois receberam habilidades mentais e físicas, alguns foram amaldiçoados com alguma deficiência bizarra e, por isso, batizados de coringas. Parte desses seres, agora especiais, usava seus poderes a serviço da humanidade, enquanto outros despertaram o pior que havia dentro de si. Série criada pelo genial George R. R. Martin a partir do jogo de RPG GURPS Supers, que desenvolveu para se distrair com seus amigos. O primeiro volume conta a história dos principais personagens que povoarão as páginas desta série de 22 títulos (editada e também escrita pelo autor de As crônicas de Gelo e Fogo).

Ficção, Romance, Aventura & Fantasia, Alienígena, Poderes / 480 Paginas / Editora Leya / Autor: George R.R. Martin / Publicado em 2013 / Classificação 3/5 / Compre & Compare Fnac Livraria da Folha


O livro nos apresenta a uma terra modificada por causa de um vírus – Wild Cards –  criado por uma raça alienígena que por alguma razão queriam testar a eficácia dele aqui no nosso planeta – Super normal isso né…

Após a explosão, todos no planeta são infectados, alguns não apresentam quaisquer sintomas e continuam com suas vidas, mas cerca de 1/3 da população começa a demonstrar certas transformações físicas ou mentais. Aqueles que adquiriram poderes foram chamados de Áses, já aqueles que ficaram deformados foram batizados de Curingas.

“São abominações para o Senhor, e em seus rostos carregam a marca da besta, e seu número na Terra é seiscentos e sessenta e seis.”

O livro segue vários personagens diferentes, onde cada autor conta a história da perspectiva de um Ás. Todas as histórias são conectadas e contam como a população e os líderes a partir da década de 40 lidaram com a aparição de super-humanos, e as consequências que isto trouxe para eles e para o mundo, que não é mais o mesmo depois do vírus Wild Cards.

livro wild cards

Por ser uma série de 22 livros – não, você não leu errado, são 22 fucking livros – eles tem total liberdade de fazer algo mais fluido com começo, meio e fim. Logo o primeiro da saga é um pouco parado e cheio de diálogos e referências sobre a década de 40, 50 e 60.

As histórias, da mesma forma, também são muito paradas e sem um ápice em algumas. Particularmente, de todas as tramas apresentadas apenas 4 realmente me prenderam e me deixaram com vontade de saber qual o desfecho daquele Ás. As tramas restantes são boas, mas servem mais para enriquecer o universo de Wild Cards, do que contar realmente uma história.

O livro me lembrou muito algo que já vimos na cultura pop, super-seres que precisam se adaptar ao mundo e aprender como controlar seus poderes. Pessoas comuns que após a explosão de uma bomba ganharam super-poderes e são obrigadas a viver escondidos por medo da sociedade não os aceitarem. Ou uma raça alienígena criou um vírus e soltou em um planeta aonde os seres que nele viviam eram fisiologicamente e anatomicamente parecidos com eles e isto resulta no surgimento de super-seres.

“Pense como um ás e poderá vencer como um ás. Pense como um curinga e o curinga aparecerá em você.”

Wild Cards tem todo um potencial e tempo para deixar sua marca com uma das melhores series já feitas, basta apenas ser um pouco mais dinâmico e envolvente.

0 Flares Facebook 0 Pin It Share 0 Google+ 0 LinkedIn 0 0 Flares ×
The following two tabs change content below.

Kinder

Sei lá, acho que to coisado... Me chamo Fernando - Mas podem me chamar de Kinder - sou um jovem adulto tentando encontrar seu lugar no mundo e buscando refugio em outros, principalmente nos mundos de aventura e fantasia, fã de memes e cultura pop, admirador de Doctor Who e em busca de um Delorean.

Latest posts by Kinder (see all)